Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Viagens na Nossa Terra

Blog de fotos de viagens em Portugal

Blog de fotos de viagens em Portugal

Semana da Páscoa no concelho de Marvão





No Alentejo era, e ainda é, hábito comemorar a Páscoa com grande intensidade.

 

Era, normalmente, a altura em que a família se reunia para ir para o campo comer o assado de cabrito ou borrego e os folares próprios da ocasião.

 

Era o que se chamava “ir comer o bolo”.

 

Aproveitando este uso, os restaurantes do concelho de Marvão vão servir entre o próximo sábado e o dia 16, ementas onde as vedetas serão os pratos à base de cabrito e borrego.

 

Nas ementas, serão integrados, também,  doces típicos desta época.

 

Se é amante destas iguarias aproveite e passe por lá!

Cozinha Regional - Alto Alentejo





Migas com carne de Porco
Para 6 pessoas


1 kg de carne de porco: Lombo, costelas e toucinho entremeado
3 dentes de alho
3 colheres de massa de pimentão
3 colheres de banha
1 pão duro
sal


Tempera-se a carne de porco de véspera, esfregando-a com o pimentão. Fritam-se na banha os dentes de alho e depois a carne até estar estaladiça.  Põe-se a carne de lado e, no mesmo tacho, aproveitando a gordura, deita-se o pão às fatias e cobre-se com água a ferver. Deixa-se aboberar durante uns minutos. Volta ao lume, mexendo bem com uma colher de pão para homogeneizar a mistura. Quando se soltam das paredes, as migas estão prontas. Junta-se um bocadinho de gordura para fritarem e ficarem bem tostadinhas. Servem-se imediatamente, com a carne frita à volta.




Ensopado de borrego

para 10 pessoas
 

 

1 borreguinho com 7 ou 8 kg a que se tiram as pernas e as costeletas para outros pratos
3 dentes de alho
1 folha de louro
1 dl de azeite
2 colheres de manteiga de cor
1 copo de vinho branco
sal e pimentas em grão
pão duro


Corta-se o borrego em bocados. Frita-se o alho picadinho com o louro nas gorduras.

Junta-se a carne, tempera-se de sal e pimenta e frita-se até dourar a carne. Acrescenta-se o vinho branco, tapa-se e deixa-se cozinhar em lume brando. Quando começar a ficar seco vão-se juntando pinguinhas de água quente, tendo o cuidado de ir mexendo para não pegar.  À hora de ir para a mesa acrescenta-se a água a ferver necessária para molhar as sopas. Serve-se numa travessa funda sobre uma camadinha de fatias de pão duro muito finas.


Sopa de cação
Para 6 pessoas


2 kg de cação (12 postas)
6 dentes de alho
1 folha de louro
2 dl de azeite
2 colheres de sopa de farinha 1 de pimentão colorau
2 colheres de sopa de vinagre
1 molho de coentros
sal e pimenta
Agua a ferver



Pica-se o alho muito miudinho e frita-se rapidamente no azeite com o louro e um molhinho de coentros. Junta-se o peixe previamente arranjado e temperado com sal grosso, e deixa-se dourar de ambos os lados em lume forte.  Numa tigela, mistura-se o colorau com o vinagre, a farinha a pimenta e um copinho de água. Rega-se o cação com esta mistura e volta a lume brando, sacudindo levemente o tacho, para cozer a farinha. Acrescenta-se agua a ferver (cerca de 1 litro) e coentros picados. Deixa-se ferver tudo durante 3 minutos e serve-se imediatamente sobre fatias finas de pão duro. 



 



Arroz doce
Para 6 pessoas


1 litro de leite
2 dl de agua
1 dl de arroz
200 g de açúcar
Canela em pau e em pó
1 casca de limão 


Põe-se o leite a ferver com um pau de canela e uma casca de limão, muito fininho. Coze-se o arroz, sem lavar, em 2 dl de água com uma pitadinha de sal. Junta-se o leite a ferver e deixa-se cozer durante cerca de 20 minutos, sem parar de mexer com uma colher de pau. Junta-se o açúcar e deixa-se ferver ate dissolver completamente. Deita-se num prato de serviço, deixa-se arrefecer e enfeita-se com canela em pó, fazendo desenhos.

Lisboa

 

Ponte 25 de Abril

 

Padrão dos Descobrimentos

 

Mosteiro dos Jerónimos

 

Elevador de Santa Justa

 

Teatro Dona Maria

 

Arco da Rua Augusta

 

Praça do Comércio

 

Estátua de D.José I

 

Vista do Castelo de S. Jorge

 

Interior do Castelo de S. Jorge

 

 

Vista sobre Lisboa

 

Convento do Carmo


Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Música

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Pensamento

Por que nos contentamos com viver rastejando, quando sentimos o desejo de voar?

(Hellen Keller)

Siga-nos no Facebook